PUBLICIDADE
Topo

Nova Ducati Multistrada 950 é mais dócil que modelo de 1.200 cc

Infomoto

14/10/2017 08h00


Muita gente sonha em ter uma motocicleta para ir trabalhar, encarar uma aventura fora do asfalto, fazer um longo tour e acelerar na pista com muita adrenalina. Os engenheiros da Ducati garantem que essa moto é a Multistrada 950. Ela acaba de chegar ao Brasil custando R$ 59.900 e seu trunfo é a capacidade de se adequar a estas situações graças à versatilidade de sua ciclística, modos de pilotagem que alteram o comportamento do motor e os kits de personalização.Aventureira chega ao Brasil por R$ 59.900. Com 113 cv de potência, é mais dócil que sua irmã maior de 1.200cc

Com essa promessa na cabeça fomos à pista conhecer a Multistrada 950 em terras brasileiras. Com preço definido outra dúvida pairava no ar: ela é mais legal que a Multistrada 1200 que tem um poderoso motor de 160 cv e 13,9 kgf.m de torque?

Para começar, a Multistrada 950 é mais alta que a 1200 e exige habilidade do piloto para não deixar cair seus 224 kg em manobras ou em baixas velocidades. Para contornar o problema a Ducati oferece bancos mais baixos como opcionais: na medida de 820 ou 860 mm, ao custo aproximado de R$ 1.800.Assento fica a 840 mm do solo e exige habilidade do piloto

Ao assumir o cockpit da Ducati 950, o piloto se depara com um grande painel com tela LCD. Lá estão informações como a marcha engatada, velocímetro digital, autonomia do tanque de combustível entre outros dados. Porém a mais importante é qual entre os quatro modos de pilotagem foi selecionado, afinal isso faz toda a diferença.

Partida acionada o motor V2 desperta com seu ronco peculiar, sempre forte e encorpado. São 113 cavalos de potência disponíveis em 9.000 giros, mas o grande barato dessa Ducati é o torque. O par máximo de 9,8 kgf.m atinge seu ápice nas 7.500 rotações, mas a apenas 3.000 rpm cerca de 80% da "força" já está disponível. O câmbio de seis marchas tem engates precisos e em pouco tempo já é possível se familiarizar com esta nova Ducati.Motor entrega torque e potência de forma progressiva e ciclística é bem acertada

Tudo graças a sua ciclística que tem uma receita bem acertada com o motor. O quadro moldado em tubos de aço abraça o propulsor, a suspensão invertida na dianteira e a balança dupla na traseira são totalmente ajustáveis; as rodas de liga de 17 polegadas na traseira e 19 na dianteira usam pneus de uso misto Pirelli Scorpion Trail, mas que vão bem no asfalto. O conjunto de freio (disco duplo na frente e simples, atrás) consegue transmitir a confiança na mesma proporção que o motor instiga a acelerar cada vez mais. Além disso, nas entradas de curvas o piloto pode reduzir sem dó, pois a embreagem deslizante consegue evitar o "quique" da roda nas desacelerações mais violentas.

Quatro motos em umaMultistrada 950 tem quatro modos de pilotagem, controle de tração e freios ABS

Se os engenheiros da Ducati planejaram uma moto para alegrar todos os públicos, eles acertaram com a 950. Dependendo de como se escolhe a entrega de potência do motor (que vai dos modos "mansos" como urban ou enduro, passando pelo comportado touring até chegar ao insano sport) o comportamento muda completamente.

Ela varia de uma comportada tourer a uma ousada esportiva, com o simples toque de um botão. De acordo com a posição escolhida a injeção eletrônica dosa a quantidade de mistura (ar + combustível) para se adequar às necessidades da moto com aquela configuração. Segundo Eduardo Oshida, gerente de pós-venda da Ducati, a mesma mágica acontece no controle de tração ao perceber que a roda traseira está mais "rápida" que a dianteira – ou seja, patinando.Motor pode entregar 75 cv no modo "urban" e 113 cv no modo sport

Entre os modos urban e o sport, por exemplo, a sensação é de andar em motos diferentes. No caso do urban a potência se limita a 75 cv cavalos; enquanto no sport a potência máxima está à disposição do piloto. Além da potência, os controles de tração (com oito níveis de ajuste) e o ABS (com três níveis) se tornam menos intrusivos. É como se a moto dissesse "agora é com você, fique à vontade".

Além dos controles eletrônicos, a nova Multistrada 950 tem uma série de acessórios para torná-la ainda mais adequada às necessidades dos proprietários. O kit urban (cotado a R$ 4.320) oferece o top case, bolsa tanque e cabo de energia com porta USB. Já o kit enduro (R$ 9.000) traz protetor de motor, pedaleiras em aço, protetor do radiador, faróis de LED e protetores laterais.Grande painel de LCD traz diversas informações sobre a moto

Quem pensa em usar a Multistrada para viagem poderá contar com a opção de kit touring (R$ 5.430), malas laterais e cavalete central. Além do tanque de combustível com capacidade para 20 litros e que representa uma autonomia superior a 300 km. Com revisões programadas para 1.000, 15.000 e 30.000 km a Multistrada apela também para o lado racional do consumidor.

950 ou 1200?À esquerda, modelo de 1.200cc que tem monobraço e 160 cv de potência

Comparando a Multistrada 950 com sua irmã de 1200 cc, que tem preço inicial de R$ 69.900, as diferenças já estão visíveis na ficha técnica. Mais potente e torcuda (160 cv e 13,9 kgf.m), os 232 kg da Multistrada desafiam o piloto e dificulta a convivência com o trânsito urbano. Quem usa a 1.200 diz que ela chega a cansar na cidade, principalmente ao encarar congestionamentos. Porém, é inegável que a 1200 é entrega muito mais desempenho e emoção ao consumidor.

Mas olhando pelo prisma de quem procura um modelo mais versátil, a nova Multistrada de 950 cc se firma como opção mais interessante para quem precisa de uma moto para usar no dia a dia e curtir no final de semana. Já a Multistrada 1200 é para aqueles que têm sede de adrenalina e não dispensam uma tocada esportiva, em qualquer situação. (texto: Cicero Lima / fotos: divulgação)

Ficha Técnica
Ducati Multistrada 950
Motor Dois cilindros em "L", distribuição Desmodrômica, quatro válvulas por cilindro e refrigeração líquida
Capacidade cúbica 937 cm³
Diâmetro x curso 94 x 67.9mm
Taxa de compressão 12,6:1
Potência máxima 113 cv a 9.000 rpm
Torque máximo 9,8 kgf.m a 7.750
Câmbio Seis marchas
Transmissão final Corrente
Alimentação Injeção eletrônica
Partida Elétrica
Quadro Treliça em tubos de aço
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Kayaba de 48 mm de diâmetro com 170 mm de curso totalmente ajustável
Suspensão traseira Balança em alumínio com monoamortecedor Sachs totalmente ajustável e com170 mm de curso
Freio dianteiro Disco duplo de 320 mm de diâmetro com pinças radiais Brembo de quatro pistões e ABS
Freio traseiro Disco simples de 265 mm de diâmetro com pinça de dois pistões e ABS
Pneus 120/70-R19 (diant.)/ 170/60-R17 (tras.)
Distância entre-eixos 1.594 mm
Altura do assento 840 mm (opcional 820 ou 860 mm)
Peso em ordem de marcha 227 kg
Peso a seco 204 kg
Tanque de combustível 20 litros
Cores Vermelha
Preço R$ 59.900

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Infomoto

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Blog da Infomoto

O blog da INFOMOTO traz novidades, curiosidades, dicas e também os bastidores do mundo de duas rodas. Com uma visão de dentro do capacete.